Pesquisar

Newsletter



A Posição da SPD perante a Rosiglitazona ( Avandia e Avandamet)

Como tem sido noticiado, uma meta-análise publicada no New England Journal of Medicine, revelou a possível associação entre a Rosiglitazona e um aumento da incidência do risco de enfarte do miocárdio e morte cardiovascular em diabéticos tipo 2 medicados com Rosiglitazona. Esse risco não está ainda definitivamente estabelecido e carece de ser confirmado. Existe um estudo prospectivo em curso com a rosiglitazona (estudo Record) que deverá esclarecer dentro de algum tempo este importante assunto.

Até lá, lembramos a necessidade de se cumprirem escrupulosamente as indicações terapêuticas para a Rosiglitazona tal ccomo constam da bula do medicamento em Portugal. A rosiglitazona não deverá ser prescrita em doentes com história ou potencial para Insuficiência cardíaca e deverá ser interrompida ao primeiro sinal ou sintoma de doença cardiovascular.
A terapêutica com rosiglitazona deverá ser ponderada caso a caso. A sua indicação para a diabetes tipo 2 com insulino-resistência deverá ser colocada apenas se existir contra-indicação, intolerância ou falência em atingir os objectivos metabólicos com a metformina.

Seguem-se os links para consulta dos documentos mais significativos ( artigo e editorial do NEJM, posição da EMEA, FDA, GSK ,ADA,ACC e AHA):

http://www.fda.gov/bbs/topics/NEWS/2007/NEW01636.html
www.diabetes.org/diabetesnewsarticle.jsp?storyId=15115339&filename=20070521/
comtex20070521pr00004113diabetesavandiariskEDIT.xml

http://content.nejm.org/cgi/content/full/NEJMoa072761
http://content.nejm.org/cgi/content/full/NEJMe078099
http://www.emea.europa.eu/pdfs/general/direct/pr/23005707en.pdf

 

 

Como tem sido noticiado, uma meta-análise publicada no New England Journal of Medicine, revelou a possível associação entre a Rosiglitazona e um aumento da incidência do risco de enfarte do miocárdio e morte cardiovascular em diabéticos tipo 2 medicados com Rosiglitazona. Esse risco não está ainda definitivamente estabelecido e carece de ser confirmado. Existe um estudo prospectivo em curso com a rosiglitazona (estudo Record) que deverá esclarecer dentro de algum tempo este importante assunto.

Até lá, lembramos a necessidade de se cumprirem escrupulosamente as indicações terapêuticas para a Rosiglitazona tal ccomo constam da bula do medicamento em Portugal. A rosiglitazona não deverá ser prescrita em doentes com história ou potencial para Insuficiência cardíaca e deverá ser interrompida ao primeiro sinal ou sintoma de doença cardiovascular.
A terapêutica com rosiglitazona deverá ser ponderada caso a caso. A sua indicação para a diabetes tipo 2 com insulino-resistência deverá ser colocada apenas se existir contra-indicação, intolerância ou falência em atingir os objectivos metabólicos com a metformina.

Seguem-se os links para consulta dos documentos mais significativos ( artigo e editorial do NEJM, posição da EMEA, FDA, GSK ,ADA,ACC e AHA):

http://www.fda.gov/bbs/topics/NEWS/2007/NEW01636.html
www.diabetes.org/diabetesnewsarticle.jsp?storyId=15115339&filename=20070521/
comtex20070521pr00004113diabetesavandiariskEDIT.xml

http://content.nejm.org/cgi/content/full/NEJMoa072761
http://content.nejm.org/cgi/content/full/NEJMe078099
http://www.emea.europa.eu/pdfs/general/direct/pr/23005707en.pdf